segunda-feira, 11 de abril de 2011

RIVERBREEZE

Junto com a banda Vitrine, daqui da cidade, completa a noite do Coletivo Cultcha a banda RIVERBREEZE, de Goiânia!


Riverbreeze, banda de indie rock goiana, faz jus ao seu nome. River, que trás como significado "rio", mostra a agressividade dos efeitos no sintetizador e a animação das músicas, e breeze, que significa "brisa", carrega a calmaria das guitarras quentes e viajantes.
A banda Riverbreeze teve sua formação completa em 2010, mas nasceu em 2009, seguido de 8 meses de estúdio. Depois de algumas apresentações como Travelers Inn, a banda mudou seu nome em novembro de 2010, lançando também o seu primeiro single no estúdio Rocklab, com o produtor Gustavo Vazquez, em Goiânia. O single contém duas faixas: She Was Out of Control e Take me Away.
Influenciada por bandas de indie rock como Strokes, The Killers, Muse, Interpol, Kings of Leon. Livre de outros estilos, a banda promete shows animados, quentes e viajantes.
"Um simples release não comportaria a vasta influência do grupo. Talvez fosse necessária a grande extensão de um arquivo científico para descrevê-la. Isso devido ao simples fato de que os integrantes transpõem as barreiras do mundo da música e vão além, buscando inspirações nas mais variadas fontes artísticas. E, como a obra do quarteto é resultado de tudo aquilo que o grupo consome (artisticamente falando), suas músicas refletem toda a pluralidade da banda. Com guitarras às vezes desvairadas, às vezes "swingadas", baixo marcado, bateria que a melhor definição é inexplicável, e com leve toque de sintetizadores, tudo amarrado pelo vocal, que é sujo e frágil ao mesmo tempo. O resultado é a contraditória Riverbreeze, que não cabe em nenhum rótulo, ou talvez em vários deles" (Danilo Pimentel).

Entrevista - RIVERBREEZE

Conheça mais um pouco da banda Riverbreeze, de Goiânia, que se apresentará nesta sexta, 15/04, no Blues Pub!


1- Primeiramente, quanto tempo tem a banda e o que motivou vocês a formá-la?


R: A banda vai fazer 2 anos de existência, porém no primeiro ano a banda ficou apenas dentro de estúdio criando músicas e preparando uma identidade para começar a se apresentar, faz pouco tempo que nós começamos a fazer shows (8 meses) e já temos uma resposta fantástica em relação ao público. O principal fator que motivou a formação da banda foi o desejo de fazer um som diferente, que a gente curte.


2- Em que vocês se inspiram pra compor as músicas do Riverbreeze? Explica pra gente a estética da banda, das letras, as intenções de vocês como compositores.


R: Nós nos inspiramos em tudo, na música que cada um de nós ouvimos, nos livros que lemos, nos filmes que assistimos, nas coisas que vemos no nosso quotidiano, tudo é peça para composição. A banda segue uma pegada indie rock, e estéticamente falando, procuramos inspirações de ídolos como o pessoal do Kings Of Leon, Strokes, Interpol, The Killers, por aí vai. As nossas intenções como compositores são proporcinar boas sensações, fazer com que as pessoas entrem no som, sonhem acordadas, fiquem com vontade de dancar, gritar, pular, que realmente curtam o momento.


3- Para alguns, a cena rock de Goiânia tem desenvolvido uma sonoridade própria. O que vocês acham disso? Vocês se encaixariam dentro dessa sonoridade?


R: A cena rock de Goiânia, realmente está caminhando cada vez mais com as suas próprias pernas, toda vez que alguém pergunta de onde somos, nós respondemos com muito orgulho que somos de Goiânia, as pessoas estão vendo que Goiânia não é mais a capital do sertanejo, mas sim do rock. Temos várias bandas excepcionais como os Black Drawing Chalks, Hellbenders, Johnny Suxxx, Space Monkeys, Atomic Winter, Mugo, Radiocarbono, entre várias outras.A Riverbreeze certamente se encaixa dentro dessa sonoridade própria de Goiânia, procuramos ser originais e fazer músicas criativas e de qualidade para que o público tenha o melhor tipo de som possível quando escutam a gente.


4- Falem sobre o single lançado em 2010. Vocês já estão planejando outras gravações, de repente um CD cheio?

R: O single lançado em 2010 é composto pelas faixas "She Was Out Of Control" e "Take Me Away", foi gravado e produzido pelo Gustavo Vazquez no estúdio Rocklab, que é referência no país inteiro, gravamos 2 músicas escolhidas a dedo para serem os "carros-chefe" da primeira fase da divulgação da banda. Agora, em Abril vamos começar a gravar um EP que contará com 6 faixas, sendo as duas do single e mais 4 inéditas, este EP deve ser lançado em setembro deste ano. Em relação ao CD, está no nosso projeto para 2012, as pessoas terão muitas novidades em 2012.


5- E os shows para 2011, como está a agenda? O que o público de Taguatinga pode esperar do show de vocês?


R: Bom, 2011 está incrível, em março fizemos uma turnê no Centro-Oeste com nossos amigos do Black Drawing Chalks, e agora em Abril vamos fazer outra turnê, dessa vez sozinhos, que começa em Taguatinga e termina em Palmas/TO, passando também pelo estado de São Paulo. A banda está rodando bastante, e o nosso objetivo é mostrar para o país inteiro o nosso som. O público de Taguatinga pode esperar um show quente, divertido e viajante.


6- Mandem um 'alô' pros leitores do blog! Digam o que quiserem!


R: Bom galera, vamos fazer com que esse nosso encontro em Taguatinga entre para a história, será o nosso primeiro show na cidade e queremos ver todo mundo animado e pulando com a gente lá. Pra quem ainda não conhece a banda ouça no nosso myspace (www.myspace.com/riverbreezebr), lá tem tudo sobre a banda, tem agenda, músicas, vídeos, fotos, etc. Nos vemos em Taguatinga, no Blues Pub. Obrigado a todos.

VITRINE

Sexta vai rolar mais uma festa do Coletivo Cultcha! Conheça uma das bandas que vai se apresentar na noite!


O VITRINE é uma banda de Brasília formada em 2006 com influências do rock dos anos 80 e do New Wave dos anos 2000. De Joy Division a The Killers, The Smiths a Strokes, passando pelo RockBrasília.
Com sua primeira demo, lançada em 2007, a banda começa a chamar a atenção da mídia especializada independente, com seu rock em português e boas letras, algumas sobre a perda da inocência, como “Às vezes admiro quem consegue mentir nos olhos/ Mas no espelho eu me recordo que eu consigo” – (Egoísmo) ou sobre a imposição da vida nas grandes cidades: “A mão que afaga e a que afoga/ A fé que salva e a fé que rouba/ Eu entro mesmo sem saber no coletivo delírio” – (Submissão) ou mesmo sobre o relacionamento cotidiano, como “Estranhos no meu quarto/ Todas parecem ser você/ Tantas voltas e eu estou no mesmo lugar” – (Zero Hora).
A banda conta com dois compositores e vocalistas, Israel Veloso e Davi Kaus. Um, guitarra base, e o outro, elogiadíssimo guitarrista solo da cidade. Mark Santana e Anderson Gomes, respectivamente baixo e bateria, completam a formação.



Com uma boa repercussão e crítica sobre as composições e um show enérgico, “Egoísmo” fica entre as mais pedidas em 2008 na rádio local, Cultura FM, por dois meses e a banda começa a rodar por festivais independentes em todo o Brasil, como o Grito Rock Brasília, Grito Rock Cuiabá, BH Indie Music, WoodGothic - São Thomé das Letras/MG, Ferrock, Finca UnB, Campus Sonoro, entre tantos outros.

“Tem uma melancolia sutil nas letras, intensas sem serem pesadas, apaixonantes e quase góticas. Tudo isso permeado pelo embalo New Wave que faz querer dançar. Muito bom!” – Site Rock Brasília. “Ecos de Joy Division e rock atual em bom português e um resultado vocal perfeito!” - Igor Filus, Charme Chulo.
Em 2009, a banda passa a integrar o Coletivo Cultcha, de Taguatinga, um dos mais atuantes da cena independente do DF, participante do Circuito Fora do Eixo. Em 2010, grava seu primeiro CD, com produção de Philippe Seabra, da Plebe Rude. O disco foi gravado num dos melhores estúdios do Centro-Oeste, o Daybreak, do próprio produtor. O Técnico de bateria foi Rodrigão Nogueira, que já produziu as baterias de diversas bandas nacionais, como Paralamas do Sucesso. Num processo que durou pouco mais de um ano entre Pré-Produção, Produção, Mixagem e
Masterização. A Mixagem ocorreu em NYC, no mês de setembro, por Kyle Kelso, famoso no Brasil pela Mixagem de várias bandas independentes, como Superguidis. Masterização por Matt Agoglia, na www.masterdisk.com, por onde já passaram artistas de peso, como Soundgarden, Mutantes, Miles Davis, Gorillaz, entre tantos.
Em janeiro de 2011, a banda lança pelo Selo Os Armênios, do RS, o Single “Zero Hora”, com “Esther” e “Submissão” como lado B, antecipando o que será o primeiro disco, que será lançado ainda no primeiro semestre. No mesmo período a banda é apontada pelos principais produtores da cidade ao Jornal Hoje em Dia como uma das promessas do Rock da cidade, ao lado de nomes como Enema Noise e The Pro.

Entrevista - VITRINE


Confira a entrevista que o pessoal do Vitrine concedeu pro Coletivo Cultcha!

1. Primeiramente, apresentem a banda pra gente.

Bem, pessoal, somos o Vitrine, banda de Brasília, e fazemos um rock com influências de Joy Division, The Clash, Echo and the Bunnymen, The Jam, Plebe Rude, Legião Urbana... com a sonoridade partindo dos anos 80 pra continuar em 2011. Amigos fazendo o tipo de rock que gostam com sinceridade e um pouquinho de sacanagem!!!! hehehe... Acima de tudo quatro amigos tocando rock.


2. As músicas de vocês lembram o auge do rock brasiliense nos anos 80. Como vocês se sentem quando fazem esse tipo de comparação? Isso já chegou a nortear o processo de composição de vocês?

Nós nos sentimos bem, a base do nosso som é realmente o rock oitentista, especialmente o feito em Brasília e suas influências. No processo de composíção isso aparece espontaneamente, tanto nas letras quanto na base rítmica, mas é um norte, não a bússola toda, hehehe... pode soar clichê, mas realmente o lance é escutar as músicas e tirar as conclusões. Pode ser que nos encaixemos no rótuto, pode ser que não... vai depender de quem escuta. Já disseram que a gente faz "rock de roqueiro apesar do Joy Division". Vai entender...


3. No ano passado, vocês gravaram sob a produção de Phillipe Seabra. Como foi? E como está o CD? Quando será o lançamento?

Foi um parto realmente... um ano e meio aproximadamente entre pré-produção, gravação, mixagem e masterização. O Phillipe é um ótimo produtor, consegue extrair o máximo das composições na pré e potencializá-las na gravação. Tem lá suas manias como todo mundo, mas é uma boa pessoa. Apesar da seriedade, a gente também riu muito nas gravações!!! Quando se escolhe um produtor, tem que se ter razões bem fortes praquela escolha, pois é uma pessoa que vai ter aval pra, em conjunto com a banda, formular definitivamente as músicas. E, apesar do Phillipe ser da Plebe Rude e ter muitas das influências que também temos, isso não contribuiu prum disco datado oitentista. Houve experimentações com microfonia, teclados à la Cure, acordes porrada e dedilhados... Rock de roqueiro com essência pós-punk, talvez? O importante é que nos orgulhamos muito do disco, e esperamos que todos escutem e gostem! A gravação já está finalizada, estamos só ajeitando a arte do encarte e outros pormenores, mas pretendemos lançá-lo até junho estourando.


4. E os planos da banda pra esse ano? Shows, CD, clipe... Depois de tudo lançado, qual a expectativa da banda e para a banda?

Bem, vamos lançar o clipe de "Zero Hora" dia 20 de abril no America Rock Club, em Taguatinga Sul, num show com a banda Gangorra que faremos lá. Aliás já agradencendo aos nossos amigos do Gangorra que nos convidaram. Depois de lançar o CD, queremos fazer show até no esgoto, hahaha!!!! Tocar muito pra divulgá-lo bem e ver no que dá. As expectativas são muito boas, o pessoal tem falado bem dos nossos shows e do single lançado no fim do ano passado (www.myspace.com/vitrine). O melhor do processo começa agora!!


5. O que o público vai ver no dia 15? Deixem aí o recado de vocês pra galera!

Queremos que todos se divirtam, dancem, bebam e celebrem a vida!!! For all tomorrow parties, como já cantava a Nico!!! Abraços!!


domingo, 3 de abril de 2011

THE NAVAJO KNOW - a festa!


Compareça!!!!!!!! Vai ser... inenarrável!



Conheça as bandas!




quinta-feira, 3 de março de 2011

Atrações do Grito Rock Taguatinga: Yacoby (GO)

Diretamente de Céu Azul, entorno sul do Distrito Federal, o Yacoby diz representar o som cru da periferia e promete trazer um protesto pesado sobre desigualdade e injustiça. Remanescentes do new metal que preenchia os shows undergrounds de Brasília há um tempo atrás, a banda lançou seu primeiro àlbum no ano passado e tem ganhado espaço em festivais e eventos diversos da capital. Confira a entrevista cedida pelo vocalista Rick:

Yacoby - "Muitos que tem pouco, poucos que tem demais" (2010)

Conte-nos sobre a banda e suas influências.

Bom, somos uma banda de New Metal/ Rap core do entorno sul do DF que fala sobre o que a maioria dos brasileiros gostaria de falar para as autoridades do nosso país e do mundo. Mas, não é só um protesto sem causa, Yacoby, é uma centelha a fim de incendiar a moral, ética, fraternidade e o amor entre os homens em seu convívio social, para que todos possam viver dignamente e igualitariamente.

A banda tem suas maiores influências no New Metal, Rap core e Metal Core. A maior parte são bandas que marcaram nossa adolecencia que marcam nosso son com: Deftones, Korn, Rage Agaist the Machine e Limp Bizkit. Mas como toda banda, cada um tem influências individuais. Eu Rick, por exemplo, tenho muita influencia no New, Metal e Rap como: Ill nino, Demon Hunter, Slipknot, CypressHill, Racionais Mcs e por ai vai...

O Yacoby é de Valparaíso. Como isso interfere no trabalho de vocês? A banda seria a mesma se tivesse surgido em outro lugar?

Muitos não sabem mais, o nome Yacoby foi propositalmente extraindo do tupi-guarani, língua primitiva brasileira e significa CÉU AZUL, daí a ligação entre o nome e a banda, que foi formada no bairro Céu Azul bairro do Valparaíso periferia de Goiás entorno de Brasília. Esse nome tem um significado cabal, pois de lá tiramos nossa inspiração para nosso protesto, lá presenciamos muita desigualdade e injustiça, vivemos na pele muitas experiências que aumenta nossa indignação. Com certeza as composições seriam diferentes se não fôssemos da periferia.

A música "Prato cheio" conta com participação da Luara do 10zer04. Qual a relação do Yacoby com o 10zer04?

A banda 10zer04 sempre foi influência musical e ideológica para a banda. Já havíamos nos encontrado em alguns eventos e sempre falamos a mesma língua. Aumentamos o contato mais por conta da música mesmo, falamos com a Luara e com os meninos e eles se amarraram. Então fizemos esse trampo que foi perfeito para nós e para o nosso cd. Eles sempre deram força para isso acontecer e hoje somos estamos mais ainda colados. Recentemente nosso novo baixista já trabalhou com eles e foi massa saber que estamos ligados de alguma forma.

Yacoby, divulgação.

O Yacoby é uma das poucas remanescentes do som new metal que dominou o independente no Distrito Federal alguns anos atrás. Atualmente é difícil se inserir nos espaços e eventos musicais do DF?
Hoje em dia vemos que o que domina o DF e entorno é o metal, hc e alternativo mais de boa, como só fazemos o que realmente gostamos o estilo da banda nunca mudou, mais foi sofrendo algumas influencia novas como Metal HC. Acho que por isso temos mais espaços em eventos desse estilo. Mais realmente sentimos um pouco de dificuldades em muitas regiões especifica como o Plano Piloto, pois o público e a cena é mais indie e pop.

Mas como disse gostamos muito de new metal e percebemos que ainda tem muitas pessoas que curtem nosso som, e para nós é legal tocar num evento e não ter mais ninguém fazendo o que agente faz, tocando as mesmas coisas que agente toca.

Recentemente vocês pilharam o surgimento do Coletivo Lobeira, do entorno sul do Distrito Federal. Conte-nos um pouco mais desse trabalho.
Como sempre quisemos ajudar a cena do lugar onde moramos, já fazíamos shows independentes há tempos atrás, mais sempre de forma individual. Então começamos a perceber o surgimento de muitos coletivos no DF e que os eventos deles sempre eram bem organizados. Foi quando o Lamin que era do Esquina e o Everaldo do Cultcha me procuraram e pilharam na criação de um coletivo lá no entorno. Eu achei a idéia perfeita, pois a cena estava meio congelada por lá, procurei uma galera que já trampava com isso e juntei os caras.

Deu muito certo, pois hoje já temos mais ou menos 10 bandas envolvidas, e muitas outras querendo ajudar. Já fizemos nosso show de inauguração, estamos trabalhando nos próximos e em outras parcerias que estão surgindo no DF. Quem quiser saber mais acesse o site do coletivo Lobeira: www.coletivolobeira.org


Para ouvir: www.mypace.com/bandayacoby
Baixe o disco da banda AQUI.

Atrações do Grito Rock Taguatinga: Mugo (GO)

Mugo ao vivo no festival Bananada 2009 (Goiânia)

Com influências de Pantera e Lamb of God, o Mugo vem de Goiânia para reforçar o peso do segundo dia do Grito Rock Taguatinga. O grupo já se apresentou ao lado de bandas como Helmet (USA), Exploited (UK) e já apareceram por aqui algumas vezes, como no Porão do Rock 2009.

Confira a entrevista e baixe o disco "Go to the next floor" no final da página:

A banda mudou um pouco o som desde os antigos EPs até o trabalho atual, que achei mais pesado. Quais as influências musicais do Mugo? Qual o público que vocês pretendem atingir?

A mudança do som veio pela evolução e mudança na formação da banda, que agora tem uma proposta bem mais pesada e direta. Nossas influência vão desde os sons mais "Old School" como Slayer, Pantera, Black Sabbath, até bandas mais atuais como Lamb of God, Parkway Drive, Job For a Cowboy, e pretendemos agradar a todo mundo que gosta de música boa, com foco no publico de som pesado, sem fronteiras.

Goiânia é mais conhecida por suas bandas de stoner e garage rock. O Mugo é bem aceito? Como é o público e cenário da música pesada na cidade?

O legal em Goiânia é que existe uma variedade grande tanto quanto de bandas como de público. Em diferentes momentos vemos destaque em certos movimentos musicais não só lá como em vários lugares do mundo. O Mugo é muito bem aceito na cidade e consegue dialogar com as mais diferentes vertentes musicais e artísticas. Temos um público forte que gosta de som mais pesado, mas o público da cidade é aberto aos mais variados estilos musicais. Muito antes do Mugo surgir já havia um grande movimento de bandas e público ligado aos estilos musicais mais pesados, como o metal, hard core, e até mesmo punk rock. Goiânia tem um público de som pesado bem fiel, o que favorece também ao Mugo.

Mugo. Promo 2011

As letras em inglês e a sonoridade culminam em uma boa apresentação do Mugo no exterior. Essa é uma das metas da banda?


A banda se coloca como uma experiência que busca ser apreciada sem preconceitos ou sem restrições territoriais. As letras são feitas em inglês por acharmos que traz uma melhor sonoridade para nossa música, mas com certeza reflete bem fora do Brasil pois o inglês é uma língua falada e compreendida na maior parte do mundo. O objetivo maior da banda é fazer música de qualidade para pessoas interessadas em interagir com isto, e fora do Brasil existe um público enorme que gosta muito deste estilo musical mais pesado. São grandes festivais e eventos que acontecem fora do Brasil e com certeza temos muito interesse em participar e interagir com este público, visando nosso crescimento como músicos e como grupo artístico.

Aqui vocês já tocaram na abertura do Matanza e numa das edições mais lotadas do Porão do Rock. Qual a expectativa de voltar para o DF? O que o público pode esperar do show do Mugo nesse sábado?

Nossas experiências em Brasília foram muito boas e o público do DF é muito ativo. A abertura do show do Matanza em um local de menor porte mas com um público bem ligado no som foi muito positiva. A participação no Porão do Rock de 2009 foi inesquecível, um público enorme e com vontade de curtir muita música boa e de qualidade, foi uma coisa única. A expectativa agora é reencontrar essa galera toda aí disposta a curtir e se divertir ouvindo um som, vendo a banda e interagindo da melhor maneira possível. Estamos agora com novas músicas que serão gravadas no nosso próximo disco e que nunca foram tocadas ainda no Distrito Federal, com mais influências de hardcore e crossover. A galera pode esperar um barulho muito alto e pesado.

Mugo - Go to the next floor (2009)

Para ouvir: www.myspace.com/mugobr
Baixe o album "Go to the Next Floor" AQUI.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Atrações do Grito Rock Taguatinga: Evening (GO)

Um trio de rock vindo de Anápolis (GO)? É isso mesmo. Com influências de Melvins e Nirvana, o grupo quebra um pouco a onda do tradicional garage rock goiano e traz um som mais visceral e punk. Confira a idéia que trocamos com o vocalista e guitarrista Leo Carneiro:

Falem um pouquinho sobre o surgimento da banda e suas principais influências.

Formada em 2007, com propostas iniciais de que partiriam desde um bom e velho rock experimental/ instrumental ao mais excitante e individual grunge, com suas referências vocálicas, a banda Evening, surgira com toda sua força e disposição para apresentarem em diversos contextos e ambientes com personalidade, agressividade e subjetividade. Leo, Paulo e Ruben já possuiam até então um notável entrosamento musical vindo de experiências anteriores, o que não representou grande dificuldade na definição da forte identidade da banda.
Natural de Anápolis - GO, a banda Evening nasceu em uma realidade um tanto indiferente com relação à novas propostas musicais, mas logo foram aceitos pela cena punk/metal da cidade, que na época era evidente. Com letras empolgantes e voltadas para o cotidiano, para a realidade vivenciada por seus integrantes e por grande parte da juventude da atualidade, Evening sobe aos palcos com a expectativa de apresentarem sua arte de uma maneira sincera e reta, de modo a conquistar seu público expondo um princípio básico da vida: Sad but true. True that you can do it!


O som da Evening é diferente das outras bandas do Goiás que remetem ao stoner e ao garage rock. Como o Evening se posiciona no cenário local? As diferenças de som dificultam a inserção da banda?

A busca incessante por uma melhor expressão subjetiva, por uma característica singular na banda é uma chama que não se apaga. Isso em uma cidade do interior, aonde o publico é pré-formalizado, e reflexo do que ocorre nas grandes capitais é um tiro no escuro, aonde se corre sérios riscos de não aceitação do público. Porém, em Goiás as coisas aconteceram um pouco diferente, posto que a carência é muito grande e as pessoas se encontram, de certa forma, abertas às novidades. O número de pessoas que nos apoia no estado nos é gratificante, e ainda temos muito o que trabalhar para que ele aumente.

Do que tratam as letras do Evening?

As letras da Evening são voltadas ao prazer, seja o prazer proporcionado pela insanidade ou pelo doce e suave romantismo. São questões distintas e subjetivas que buscamos abordar, questões implicadas acima de tudo pelas ocasiões que jovens da atualidade estão a passar. Isso envolve reações diversas, muitas vezes desesperadas e inconsequêntes e é no pico, no auge da inconstância (emocional) aonde a Evening se encontra.

O Evening já tocou em Taguatinga e ao Gama. Quais as impressões vocês ganharam do Distrito Federal?

Ótima receptividade, pessoas dispostas a conhecer o que tinhamos a mostrar, e animadas para tocarem o terror. Foram lindas todas as nossas estadas no DF, e esperamos que o Grito Rock Taguatinga seja naquela classe “deefiana” de sempre!

O que as pessoas podem esperar do show do Evening no Grito Rock Taguatinga?

Sabemos o que podemos esperar do publico de Taguatinga: sapatada.



Recentemente vocês terminaram um Ep no estúdio Rocklab, com o Gustavo Mestre. Falem sobre a experiência de gravação e o que esse disco trouxe para banda.

Experiência sem duvida nos foi muito acrescentada. Ter um confronto de visão musical e deparar com toda aquela bagagem de conhecimento que o mestre tem enriqueceu muito nosso trabalho. Desempenho como músicos para nós três foi muito melhorado, e, não podemos deixar de mencionar uma maturidade que nos envolveu de uma maneira explendida, uma vontade de melhorar, de fazer músicas de qualidade e de sempre incrementar o que fazemos. E claro , vontade de voltar ao Vazquez pra gravar mais 10 discos e ter overdoses daquele café dos infernos.

Para ouvir: www.myspace.com/eveningbr
Baixe o Ep "Poisoned Mind" (2011) AQUI.

Atrações do Grito Rock Taguatinga: Brown-Há (DF)

Brown-Há se apresentando no Festival Finca (UnB)

A banda brasiliense Brown-Há define seu som como um "rock n' roll energético e empolgante". Quem conferir o primeiro EP da banda sabe que estão falando a verdade.

Numa sonoridade que remete ao rock clássico e grupos atuais de brit rock como Jet, o grupo de está na ativa desde 2005 e desde então já tocou em festival nacionais de música independente como o Calango (MT), Bananada (GO), Quebramar (AP), Fogo no Cerrado (MS) e Megafônica (PA).

Confira a entrevista que tivemos com a banda.


Como surgiu a banda? Quais as principais influências?
A banda surgiu em meados de 2005 quando eu (Fernando), João Paulo e João Henrique resolvemos nos aventurar no mundo do rock, tocar músicas que a gente curtia e de repente estávamos compondo. Com alguns shows e a galera curtindo as músicas, novas vieram e estamos ai firme e fortes até hoje. Infuências vão desde o rock que marcou época na década de 70 até o rock independente atual nacional, enfim, rock de qualidade!

O Brown-há é a banda que encabeça o coletivo Esquina, ponto Fora do Eixo em Brasília. Para quem não conhece, expliquem como funciona o circuito e como vocês atuam neste coletivo local.

Fazendo uma pequena correção, o Brown-Há não encabeça o coletivo esquina (www.coletivoesquina.com), não temos mais bandas dentro do coletivo, não é um coletivo de bandas como de início, agora temos bandas parceiras do coletivo como é o caso do Brown-Há e outras do DF. Somos um grupo de pessoas que faz um trabalho de fomento da cena musical atualmente no DF e num futuro gostaríamos de agregar outras vertentes artísticas nos eventos do coletivo. O circuito fora do eixo (www.foradoeixo.org.br) é uma rede socio-cultural independente nacional onde vários grupos chamados coletivos fazem trabalhos pela cultura local pensando e agindo sempre coletivamente e estão todos ligados via internet fazendo também trabalhos nacionais. Por ser uma rede que iniciou seus trabalhos com a música, é o ramo mais forte atualmente, porém os coletivos já vem trabalhando com artes visuais, cênicas, entre outras, para agregar cada vez todo e qualquer tipo de arte nos eventos.


Como está sendo a experiência de gravar com o Bill no estúdio Macaco Malvado? O que mudará nesse próximo trabalho?

Já terminamos a gravação do novo single do Brown-HA com Gustavo Bill no estúdio dele, Macaco Malvado e foi ótimo. Nos sentimos muito livres para fazer as coisas como a gente queria mesmo e o resultado está como esperávamos, bem rock mesmo como as músicas soam nos shows. Em breve o público poderá conhecer o single que deve ser lançado este mês ainda. Nada mudará, ainda somos uma banda de rock que gosta de fazer rock! Uma leve diferença está visível no amadurecimento da banda em termos de composição.

Após o disco, quais as próximas metas da banda?

Depois de gravar, é tocar muito! Estamos preparando uma boa circulação pelo DF e nacional também, voltando para locais onde já tocamos para divulgação de um show novo com músicas novas e chegar a locais onde ainda não passamos para divulgar cada vez mais o trabalho da banda. Quem sabe um videoclipe para o meio do ano também.

O que o público pode esperar do show do Brown-Há no Grito Rock Taguatinga?

O público pode esperar muito rock da nossa parte e diversão da parte deles. O show sempre é muito animado e divertido tanto para o público quanto pra gente. Diversão e rock'n roll é tudo!


Para ouvir: www.myspace.com/brownha
Baixe o primeiro EP da banda AQUI.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

GRITO ROCK TAGUATINGA 2011 ESTÁ CHEGANDO!!!!!


O Grito Rock Taguatinga 2011 está chegando!!!! O evento vai rolar nos dias 04 e 05 de março, de graça, no Centro de Taguatinga, próximo ao viaduto de entrada via EPTG, onde ficavam as barraquinhas de cachorro-quente!

Serão, ao todo, 14 atrações do DF e de outros estados incluindo nomes como Besouro do Rabo Branco, Galinha Preta e Black Drawing Chalks!

Vai ser simplesmente FODA! Nos vemos lá!!!!


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

ATRAÇÕES DO GRITO ROCK TAGUATINGA 2011


Nós do Coletivo Cultcha agradecemos, enorme e sinceramente, às mais de 200 bandas, entre 23 estados brasileiros e 2 países da América Latina, inscritas no Grito Rock Taguatinga.

Sabemos o quanto é difícil manter uma banda na ativa: dinheiro investido em estúdio (entre ensaios e gravações), reclamação de vizinho por causa do som alto, falta de consideração de alguns produtores de shows... Sabemos, até mesmo porque alguns de nós temos bandas e sentimos na pele a frustração que, às vezes, parece nos tragar inevitavelmente em direção à desistência.

E o que fazer quando isso acontece? Simples: MÚSICA! Colocar nessa centelha eterna até o último graveto, eterna por depender apenas de nós não a deixarmos morrer: a centelha do prazer em fazer música, dentro do expressar sincero e apaixonado que só aquela canção preferida proporciona. Ainda mais quando a mesma é a nossa canção.

Aos selecionados, nossos parabéns e a expectativa de juntos fazermos um festival à altura de toda essa qualidade musical; aos não-selecionados, um ótimo ano de trabalho e a certeza de que no próximo Grito Rock Taguatinga as vagas estarão aqui, esperando por vocês.

Abaixo os artistas selecionados que estarão se apresentando no Festival Grito Rock Taguatinga 2011 ,nos dias 04 e 05/03. Ressaltamos que devida a grande quantidade de artistas resolvemos selecionar 14 bandas ao invés de 12 como tínhamos dito anteriormente. Frisando que o Festival Grito Rock será de graça no Centro de Taguatinga!

SEXTA FEIRA DIA 04/03

VITALÓGICA (DF)
HELLBENDERS (GO)
BROWN-HÁ (DF)
EVENING (GO)
DARSHAN (DF)
BESOURO DO RABO BRANCO (DF)
BLACK DRAWING CHALKS (GO)

SÁBADO DIA 05/03

SUCCULENT FLY (DF)
VITRINE (DF)
ENEMA NOISE (DF)
CICLONE NA MURINGA (DF)
GALINHA PRETA (DF)
YACOBY (DF)
MUGO (GO)

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

ESQUENTA PRO GRITO ROCK TAGUATINGA


Neste sábado, dia 19/02, estaremos realizando o Esquenta pro Grito Rock Taguatinga. O evento começará às 22 horas no Blues Pub (Taguatinga Centro, atrás do Posto Nenen's). A entrada é somente R$ 5,00! Os shows da noite serão das bandas: Los Torrones, Rebel Shot Party e This Fusion. A discotecagem da noite fica a cargo da banda Valdez. Convidamos a todos para comparecerem e se divertirem, além de já irem se preparando para o Grito Rock Taguatinga que vai ocorrer nos dias 04 e 05/03.

LOS TORRONES


Influenciados por Litle Quail and the Mad Birds, Gramofocas, Toy Dolls entre outras várias coisas, Los Torrones faz um som calcado no punk/rockabilly/surf music que já chamaram a atenção de muitas pessoas na cena local. Impossível vai ser ficar parado num show com tanta referencias boas! Acesse o myspace dos caras aqui para conhecer mais sobre a banda!

REBEL SHOT PARTY


Se você quer curtir um bom e velho Rock and Roll puro sangue essa é a banda ideal! Formado por Bianca Martins (ex-Bulimia), André Morale (ex-High High Suicides) e Marcelo Melo (Enema Noise), o Rebel Shot Party é Influenciado basicamente por Stooges e MC5 entre outras maravilhas garageiras, despejando em nossas orelhas o autêntico Garagem Rock sem frescuras! Tire suas próprias conclusões ouvindo as musicas aqui!

THIS FUSION


Com poucos meses de vida, o This Fusion conta na sua formação com músicos já conhecidos da cena underground candanga, como Mauricio Kozak (ex-Leda), Davi Kaus (Vitrine) e Mauricio Sonic (The Squintz). O som do This Fusion é influenciado basicamente pelo Rock Alternativo dos anos 90 e muito Shoegazer! se você curti o lado mais selvagem do Sonic Youth e Jesus and Mary Chain, você corre grandes riscos de se apaixonar por essa banda!

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

LANÇAMENTO DO COLETIVO LOBEIRA!



O Coletivo Lobeira, surge da união de alguns segmentos culturais de Goiás na região do Entorno Sul de Brasília, formado no ano de 2010, com o intuito de proporcionar um maior grau de organização, comunicação, sustentabilidade e agenciamento para grupos culturais e musicais do cenário independente.

O coletivo Lobeira faz referência ao cerrado existente no centro-oeste brasileiro. Lobeira, é uma fruta selvagem resistente ao fogo muito comum nas regiões de cerrado. O primeiro Coletivo cultural do Entorno Sul, fará sua apresentação inaugural no dia 12/02 no Central Esporte Clube do Ipê, Luziânia-GO, com apresentações de bandas e mostrando que a união faz a diferença nos eventos culturais da região. Diga-se de passagem que o Coletivo Lobeira já nasceu grande, somando a experiência de cada membro e a quantidade de cidades envolvidas. As cidades envolvidas no projeto são; Valparaíso, Jardim Ingá, Cidade Ocidental e Luziânia.

Como é dito na carta de apresentação do coletivo. O coletivo nasce inicialmente com poucos apoios, os ideais desse grupo é criar e fazer dessas cidades pólos de talentos e ajudar artistas locais. Todos os esforços somados desse empreendimento é fomentar a cultura e a arte no Entorno de Brasília. Com a meta de realizar eventos para dá visibilidade a projetos independentes de uma variedade de segmentos culturais.

É de grande importância que esse coletivo consiga estabelecer e proporcionar a essas cidades uma oportunidade de diversão, e um antídoto cultural as comunidades que sofrem com a incapacidade política de olhar e alcançar uma quantidade significativa de pessoas. Cabe ao coletivo, ampliar a consciência e representar essas camadas que conseguem resistir ao esquecimento. O maior anseio desse coletivo será conseguir suprir as essenciais demandas culturais e oferecer um sólido terreno para o desenvolvimento de entretenimento nas diversas áreas abrangidas e enriquecimento com experiências culturais significativas.

Confira uma breve Entrevista cedida pelo Coletivo Lobeira;

CC: O que é o Coletivo Lobeira?

CL: O Coletivo Lobeira é uma união cultural de Goiás na região do Entorno Sul de Brasília, formado no ano de 2010, com o intuito de proporcionar um maior grau de organização, comunicação, sustentabilidade e agenciamento para grupos culturais e musicais do cenário independente. Apesar de Brasília ser considerada a Capital do Rock, percebe-se que no entorno da capital são formados muitos grupos musicais com esse estilo, mas que ainda não possuem espaço suficiente para apresentar seus talentos. Percebeu-se então a necessidade de se iniciar uma cena musical local, com seus próprios recursos e artistas.

CC: De onde surgiu a idéia de montar um Coletivo e porque sentiram a necessidade de fazer?

CL: A idéia nasceu da necessidade de fomentar a cena musical local, já que ações isoladas de realização de eventos e divulgação de bandas sempre ficavam em segundo plano pela falta de incentivo e profissionalismo. Através do apoio direto e indireto de outros coletivos, começamos a fazer reuniões e amadurecer idéias e assim criando laços de união pela mesma causa, gerando a criação do Coletivo Lobeira.

CC: Quais são os planos futuros do Coletivo?

CL: Primeiro organizar a função de cada um dentro do coletivo, futuramente de forma coletiva e participativa construir um plano de ação que oriente na execução dos nossos pré-projetos que são:

• Criação de um calendário de eventos do coletivo;
• Manter troca de experiências constante com outros produtores, coletivos, grupos culturais e bandas do Entorno de Goiás, Distrito Federal e Brasil;
• Criar um estúdio coletivo (Estúdio Social), através de parceria privada ou publica visando favorecer bandas com ensaios e gravações a um baixo custo ou gratuitamente;
• Divulgar as bandas que fazem parte do coletivo visando mostrar o que temos de melhor, a nossa musica.

CC: Como as bandas interessadas no projeto do Lobeira podem entrar em contato?

CL: Entre no site: www.coletivolobeira.org e lá terá informações e contato dos responsáveis,
Qualquer duvida enviar email para coletivolobeira@gmail.com / contato@coletivolobeira.org.

CC: Falem um pouco sobre a noite de lançamento?

CL: Vai ser a comemoração da realização do coletivo. O evento vai contar com a participação de uma equipe de mais ou menos 10 pessoas, que ajudaram na execução geral, desde auxiliar de palco, captação áudio visual, recepção de bandas, produtores de resenhas e outros, tudo visando à valorização das bandas e do público. Como será o primeiro evento do coletivo estamos apreensivos com o resultado e esperamos que tudo dê certo.



quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Inscrições Grito Rock Taguatinga 2011 estão Abertas.



O Grito Rock é um festival que acontece durante o Carnaval em várias cidades simultâneamente, com o foco na promoção de artistas independentes. Em 2011, o festival acontecerá de 25 de Fevereiro a 28 de março.

O projeto conectou em 2010 mais de 80 pontos, apresentou 500 bandas independentes, gerou a série Grito Doc – documentário colaborativo com 17 episódios distribuídos semanalmente pela Internet, e ainda desenvolveu as Campanhas Hospedagem Solidária e Transmita o seu Grito, ampliando ainda mais o seu público, que foi em torno de 50 mil pessoas espalhadas por todo o país.

Para a nona edição, a continuidade das campanhas já implantadas se fazem presentes, com a inserção de mais pontos produtores e mais cidades, inclusive espalhadas por toda América Latina, formando assim uma grande teia de trocas solidárias e conhecimento em prol da produção do maior festival em rede do mundo!

Os produtores selecionados contarão, a partir de dezembro de 2010, com a plataforma Toque no Brasil para facilitar a curadoria do seu Grito Rock, bastando a criação do seu perfil e a disponibilização de seu evento no TNB para os artistas se inscreverem.

Para participar é simples, basta ler o regulamento, preencher o formulário e estar disposto a integrar a Equipe do Projeto. Mais informações no site: http://toquenobrasil.com.br/

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

3º TERROR FEST (12 anos de Terror Revolucionário)


3º TERROR FEST (12 anos de Terror Revolucionário)

Bandas: Terror Revolucionário, Defy (SP), Flashover, WxCxM (GO), Descarga Negativa (GO) e Subterror

Local: Círculo Operário do Cruzeiro Velho

Data: 22 de janeiro de 2011 às 17 horas

Ingresso: 8 reais

3º TERROR FEST (12 anos de Terror Revolucionário)

Em muitos casos, estima-se que um ano na vida de nossos queridos amigos caninos equivale a oito anos na pele de um ser humano. Acredito que a mesma estatística poderia ser aplicada às bandas, em especial, às pertencentes aos gêneros roqueiros: vida difícil, dura, porém, intensa, onde o que vale mesmo é fazer amigos. Nestes 12 anos de Terror Revolucionário foi exatamente isso o que conquistamos e o de que mais nos orgulhamos: uma grande rede de amigos. 2011 será o ano do 3º TERROR FEST, uma maneira que encontramos de celebrar com nossa outra família (um exército de roqueiros – utópicos ou não – que sonham, cada um a sua maneira, com um mundo melhor e mais justo). Na primeira edição, realizada no Teatro Galpãozinho (um dos templos sagrados do rock candango), no Gama, tocaram: SECONDS OF NOISE, SILENTE, PODRERA, PHRENESY, UTGARD TRÖLLS, MURRO NO OLHO, BESTHÖVEN e ÍMPETO (GO). Já em nosso 2º festival tivemos a honra e o privilégio duplo de poder comemorar nossos 10 anos de vida sob o manto protetor do FESTIVAL QUARESMADA e ainda poder dividir o palco com as bandas irmãs OS MALTRAPILHOS, VIOLATOR, LOW LIFE e as goianas MASSACRE BESTIAL, GOLPE DE FOICE e RESSONÂNCIA MÓRFICA. Dessa data, inclusive, saíram as gravações de nosso DVD, registrado pelas câmeras do Preto, do Pituca e do Totors. No dia 22 de janeiro de 2011, sábado, que esperamos não chuvoso, o 3º TERROR FEST conclama a sua importante presença. O salão de festa será, mais uma vez, o Círculo Operário do Cruzeiro Velho, local que já abrigou – e abrigará – várias outras festividades do nosso rico universo underground. As convidadas da vez (SUBTERROR, DESCARGA NEGATIVA (GO), WxCxM (GO), FLASHOVER e DEFY (SP) poderão explodir nossos tímpanos, com muita qualidade, graças ao ótimo trabalho de sonorização feito pelo Dr. Ed (ME Estúdio). A SUBTERROR é uma jovem banda de Brasília, dona de um potencial monstruoso e que vai abalar as frágeis estruturas da Capital com seu crustcore pesado, rápido e politizado (saiba mais: www.myspace.com/subterrorcrust). A DESCARGA NEGATIVA que faz uma elétrica mistura de hc, punk e grind e há 11 anos aterroriza a cena goiana com sua agressividade sonora e abusada sinceridade, virá ao DF mostrar sua nova formação, tendo como único membro remanescente o guerreiro Walkir, também pertencente aos grupos de ativistas contraculturais Insetu’s Produções e Licor de Chorume (www.licordechorume.blogspot.com). A WxCxM, agora um dos principais nomes do hc goiano, abrilhantará a festa com suas músicas rápidas, curtas e diretas (www.myspace.com/wxcxmx). A FLASHOVER será responsável pelo lado mais metal das comemorações e cumprirá suas obrigações da melhor forma possível: despejando toneladas de peso e agressividade com seu conhecido thrash’n’death, tão querido por grande parte dos headbangers candangos (www.myspace.com/flashoverbr). Os grandes irmãos da DEFY virão da capital paulista para, pela primeira vez de muitas que certamente acontecerão, detonar sua explosiva e contagiante mistura de crust, hc, grind e death-metal. A DEFY é, certamente, uma das melhores bandas de hardcore extremo surgida na última década (www.myspace.com/antisocialcrust). Sinta-se, portanto, intimado a comparecer! A festa da Terror começa às 17 horas e a entrada custará 8 reais. O cartaz foi desenhado pelo mano Manga (tatuador da BT Tattoo e baterista da banda GRACIAS POR NADA e ex-VINGANÇA), enquanto todo o lay-out foi desenvolvido pelo velho companheiro Tomaz (Zine Oficial). Irmandade em pró do rock, por isso conseguimos resistir! TERROR REVOLUCIONÁRIO é: Adriana (bx/vc), Fellipe CDC (vc), Jeferson Hellmatismo (bt) e Thiago Barbosa (gt/vc). Até o dia 22/1/11, no 3º TERROR FEST!

Patrocínio:

BT TATTOO (www.btattoo.com.br)

ZINE OFICIAL (www.zineoficial.com.br)

ME ESTÚDIO E SONORIZAÇÃO (3033-3405)

ESTUDÍO MADRUGA (3032-6414)

GRV RPODUÇÕES (www.grv.art.br)

RADIKAOS (3021-1257)

SUPERMERCADO SUPERBOM (www.superbomsupermercado.com.br)

KINGDOM COMICS (3225-0579)

ARTISTIK SERIGRAFIA (3352-4449)

Apoio:

RÁDIO CULTURA (100,9 FM)

WWW.LICORDECHORUME.BLOGSPOT.COM






quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

COLETIVO INSONIA APRESENTA: INSÔNICA


O Ano começa com tudo para o Coletivo Insônia com uma edição super especial do INSÔNICA. Nessa edição foram escaladas algumas bandas referências na cena local. Além dos grandes shows com o preço camarada de R$ 3,00, o público ainda concorre a vários brindes legais (Camisetas da Rage Skate, Camisetas da Radikaus, piercings da Grunge Tattoo), realmente um grande show, compareçam! Mais informações a respeito aqui.